Blog  ·  24/06/2022

Ensino maker: o que é e quais os benefícios para a educação?

O Ensino Maker estimula o estudante a desenvolver inúmeras habilidades. Acompanhe o artigo e saiba mais!

As metodologias ativas de aprendizagem têm ganhado protagonismo na educação brasileira, por dar autonomia aos alunos no desenvolvimento estudantil. Nesse cenário surge o Ensino Maker, uma dessas metodologias com a capacidade de ampliar os conhecimentos e técnicas na vida dos jovens.

De forma geral, podemos dizer que a Ensino Maker estimula o estudante a desenvolver objetos, seja com equipamentos ou de forma manual. Com isso, ela dá a possibilidade do aluno elaborar soluções criativas e colocar em prática ensinamentos teóricos.

Por isso, podemos considerar a Ensino Maker como um elemento essencial nas escolas de todo mundo. Quer saber mais sobre? Segue lendo o texto e entenda como funciona o método e suas principais características.

Leia também: O que é Cultura Maker?


O que é Ensino Maker?

Antes de aprofundarmos esse termo, vamos relembrar a Cultura Maker. Ela se refere ao movimento que busca por soluções simples e criativas para problemas complexos. Com início na década de 70, se baseia na filosofia “Do It Yourself”, inglês para “faça você mesmo”.

Nela, uma pessoa pode criar, projetar e desenvolver qualquer tipo de objeto, seja com ferramentas manuais ou tecnológicas. Dessa forma, o objetivo é dar controle da produção e conceito de materiais para estimular o senso criativo e empreendedor.

Nessa linha surge o Ensino Maker, que seria a aplicação dos conceitos da Cultura, mas num espaço escolar. Com isso, os alunos são estimulados a construir itens com as próprias mãos, fazendo-os entender como podem aproveitar os recursos disponíveis para serem criativos e pensarem fora da caixa.

Assim como outras metodologias ativas de aprendizagem, a intenção do Ensino Maker é dar autonomia aos estudantes. Outro papel é desenvolver a criatividade e raciocínio, mantendo a ideia do aluno como protagonista do seu crescimento intelectual.

Na prática, com o Ensino Maker as escolas têm a chance de formar adultos com mais capacidade criativa e empreendedora. Por isso, é possível ver essa metodologia como essencial no mercado de trabalho e um diferencial na hora de definir uma instituição de ensino.


Máquinas da Due como técnicas de Ensino Maker

Até agora abordamos o que seria a teoria do Ensino Maker. Porém, é bem mais fácil entender quando vemos na prática. E para isso, é preciso olhar quais equipamentos podem ser utilizados dentro da sala de aula, para exercitar os conceitos da metodologia.

Alguns deles são desenvolvidos pela Due Laser, uma empresa brasileira especializada em máquinas portáteis de corte a laser. Com elas, é possível desenvolver itens personalizados, como cartonagem, convites, brindes, confecção de artigos de couro e tecido, além de carimbos.

A Due oferece três opções de máquinas. São elas:

* Due NXT: uma ferramenta de corte e marcação a laser, ideal para escolas e ateliês. Ela possui um design elegante e moderno, com área de trabalho de 42 x 32 cm. A NXT tem laser de diodo de 8w de potência, o que é ótimo para marcação em madeiras, couro ou cortes de materiais leves como papéis, tecidos e EVA;

* Due Flow: outra opção, a Due Flow é segura e fácil de usar, com área de trabalho de 60 x 38cm. Desenvolvida com sistema de laser CO2 de 40w, faz cortes em alta velocidade, que otimizam o tempo de trabalho;

* Due Max: por fim, temos a Due Max, uma máquina potente de corte e marcação a laser. Possui área de corte de 90 x 60cm, ideal para quem quer alta produtividade.

Dentro do Ensino Maker ainda há a chance de usar materiais manuais clássicos, como martelos, serras e chaves de fenda, por exemplo. Impressoras 3D também são opções interessantes, com a capacidade de dar forma a projetos desenvolvidos pelos alunos.


Benefícios do Ensino Maker

Ok, você já sabe o que caracteriza essa metodologia. Mas por que aplicá-la nas escolas? Por qual razão ela é tão importante para os alunos? Veja a seguir:

Liberdade para criar

Um dos maiores benefícios do modelo é sua capacidade de sedimentar e ampliar a criatividade. Ao colocar a mão na massa e explorar as técnicas, o aluno instiga a curiosidade e a imaginação, se tornando protagonista ao encontrar diferentes soluções para o mesmo problema.

Desenvolvimento de autonomia

Lembra quando falamos da autonomia? Então, com a Educação Maker é possível desenvolver um senso crítico, lógico e social. Isso acontece porque as crianças aprendem desde cedo a importância de serem ativos, de colocarem suas ideias em ação.

Nesse sentido, o modelo consegue fortalecer outras competências relacionadas à autonomia, como a responsabilidade, autoconfiança e a empatia. Esse último ocorre quando o estudante aprende a respeitar os diferentes valores e habilidades entre os colegas.

Melhora na coordenação motora

Segundo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), as escolas devem incluir técnicas que fortalecem competências socioemocionais, indo desde a educação infantil até o Ensino Médio. Entre elas, está a coordenação motora.

Ao conhecer objetos, texturas e saber manusear itens, a criança melhora suas habilidades motoras. Daí a importância de um laboratório com equipamentos e tecnologias avançadas.

Leia também: O que são atividades complementares na escola?

Gostou da ideia? Não deixe de nos acompanhar aqui no blog e nas redes sociais para conferir outros conteúdos exclusivos! Estamos no Facebook, Instagram e no YouTube.

POSTS RELACIONADOS