Blog  ·  12/01/2022

O que são atividades complementares na escola?

Há muito tempo já se sabe que o papel da escola não é apenas ensinar português, matemática, história e afins. Um ensino dinâmico e de aprendizado mais amplo se faz necessário para criar não apenas novos profissionais, mas cidadãos para o futuro. E é aí que entram as atividades complementares.

Criadas como uma nova forma de aquisição de conhecimento, as atividades complementares, ou atividades extraclasse, têm crescido nas escolas de todo o Brasil e do mundo.

Isso porque elas trazem benefícios no processo de aprendizagem, apresentando o conteúdo visto em sala de aula de maneira mais dinâmica e atrativa para crianças e adolescentes.

Quer saber mais sobre as atividades complementares? Acompanhe nosso artigo sobre o Espaço Maker: educação que transforma

De onde surgiram as atividades complementares?

As atividades complementares são citadas na Lei nº 9.394 de Diretrizes e Bases de 1996, com acréscimo do texto sobre educação infantil na Lei nº 12.796 de 2013.

Nelas, o artigo 26 diz: "Os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio devem ter base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos."

Ou seja, já são 25 anos que existe essa orientação por lei de complementação do sistema de ensino para as escolas de ensino infantil, fundamental e médio no Brasil.

Ainda, existem leis estaduais que também estabelecem as atividades complementares como parte integrante do ensino, tais como a Resolução Secretarial nº 1.690/2011 do estado do Paraná, que institui o Programa de Atividades Complementares Curriculares em Contraturno na Educação Básica na Rede Estadual de Ensino.

Inclusive, na própria instrução N. 004/2011 da Secretaria de Educação do estado do Paraná, as atividades complementares já são definidas como política pública.

(foto: banco de imagens)

O que são atividades complementares?

Ainda seguindo o texto da Instrução, atividades complementares são "atividades educativas, integradas ao Currículo Escolar, com a ampliação de tempos, espaços e oportunidades de aprendizagem, que visam ampliar a formação do aluno."

Elas têm o objetivo de melhorar a qualidade do ensino, atendendo às necessidades socioeducacionais dos alunos.

Além disso, também promovem a integração entre os estudantes, escola e comunidade e a democratização do acesso ao conhecimento e bens culturais.

Também permitem maior engajamento em sala de aula, tornam a formação mais completa e vão além dos conhecimentos acadêmicos.

Lembrando que elas são complementares, ou seja, não têm a intenção de substituir nenhuma atividade curricular. São consideradas apenas maneiras diferenciadas de apresentar um conteúdo, de forma que o aluno possa ir além dos livros e tenha uma experiência nova.

Também trazem a possibilidade de facilitar a compreensão de temas estudados, pois visam a participação prática, o que acaba despertando interesse.

Quais são as atividades complementares?

Não existem regras pré-estabelecidas para as atividades complementares. Como a própria definição da Lei já diz, elas seguem características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos.

Ou seja, são muitas as possibilidades de atividades que podem ser implementadas nas escolas. Conheça algumas delas:

Artes

Atividades como canto, instrumentos musicais, dança, artesanato, artes plásticas ou teatro são algumas das opções para atividades complementares voltadas às artes.

Elas ajudam no desenvolvimento da coordenação motora, na concentração, no relacionamento, expressão corporal e o trabalho em equipe.

Atividades online

Considerando que as gerações atuais são consideradas nativos digitais, a utilização da internet para atividades é sempre uma boa maneira de engajar os estudantes.

A escola pode promover gincanas, aprendizados sobre outras cidades ou países através dos mapas digitais ou ainda criar blogs colaborativos para estimular a escrita.

Espaço Maker

Traduzido para o português, o espaço Maker é o espaço criador, construtor. Ou seja, um espaço onde o aluno possa criar e encontrar soluções para seus problemas do dia a dia.

O grande diferencial desse espaço é o acesso livre à tecnologia. Isso porque no espaço Maker o estudante encontra ferramentas digitais e tecnológicas para que eles possam trabalhar com marcenaria, manutenção e produção.

São espaços que contém máquinas tais como: impressora 3D, cortadora a laser, computadores e outras ferramentas que auxiliam os alunos a exercitarem sua criatividade e autonomia.

Esportes

Os tradicionais esportes que são protagonistas nas aulas de educação física também podem ser aprofundados como atividades extracurriculares.

Seja através do futebol, natação, caratê, vôlei, ou basquete, eles ajudam no desenvolvimento motor, no trabalho em equipe e na saúde dos alunos.

Idiomas

O aprendizado das línguas estrangeiras não é importante somente para a vida profissional futura dos alunos, mas também no ensino de outras culturas e no desenvolvimento cognitivo.

Também nessa categoria de atividades complementares, podemos incluir o aprendizado das línguas de sinais, tão importante na inclusão escolar e social.

Jogos

Há muito tempo vistos como uma diversão, os jogos já nos provaram que vão muito além de entretenimento. A oferta de jogos educativos tem crescido exponencialmente e vão além dos tradicionais xadrez, dominó e quebra-cabeças.

Os jogos podem exercitar o raciocínio lógico e a estratégia, promovendo um momento lúdico e dinâmico de aprendizado.

Além disso, hoje também contamos com inúmeras opções de jogos digitais e a chamada gamificação, que é a utilização de ferramentas de jogos para enriquecer outros contextos.

Ou seja, existem inúmeras possibilidades de aprendizado quando se utilizam recursos tecnológicos para promover missões e desafios que podem estar relacionados a temas escolares.

Reciclagem

Muito em alta no mundo, os assuntos relacionados à sustentabilidade são sempre pauta de discussão nas escolas.

Assim, oficinas de reciclagem de lixo ou que transformam sucata em arte, são ótimas oportunidades de ensinar crianças e adolescentes sobre a importância de cuidar do planeta, além de proporcionar um exercício de imaginação e criatividade.

Para crianças mais novas, ainda auxiliam a coordenação motora e noção espacial.

Visitas educativas

As visitas educativas têm como objetivo explorar pessoalmente diversos temas passados em sala de aula como biologia, geografia, história, entre outros. Assim, a escola pode promover visitas ao zoológico, parques e museus.

Também podem facilitar a compreensão das manifestações culturais e aumentar a sensibilidade artística com visitas à exposições de arte e bibliotecas.

Quais os benefícios das atividades complementares para os alunos?

Seguem mais algumas vantagens em investir nas atividades complementares dos estudantes:

● Ampliação da cultura e das vivências;

● Aumento da capacidade de observação, raciocínio, autoconfiança e senso crítico;

● Descoberta dos próprios talentos e aptidões;

● Empoderamento e protagonismo da criança na aquisição do conhecimento;

● Fortalecimento do vínculo entre aluno, escola e comunidade;

● Reflexão sobre seu próprio papel como cidadão.

Por conta disso tudo, é fundamental que as escolas invistam em espaços especiais para a oferta das atividades complementares para que todos esses benefícios possam estar disponíveis para cada vez mais estudantes.

Leia também: O Espaço Maker é um diferencial para a sua Escola

Se você tem interesse em saber mais sobre o Espaço Maker e como construir um na sua escola, acesse agora o site da Due Laser e saiba mais.

E continue no nosso blog para mais dicas e informações sobre educação e tecnologia!

Let's Due It!

Gostou do nosso conteúdo? Então não deixe de nos acompanhar nas redes sociais e conferir outros conteúdos exclusivos! Estamos no Facebook, Instagram e no YouTube.

POSTS RELACIONADOS